A lógica dos resumos

Olá, pessoal!

Hoje eu vou compartilhar com vocês um assunto que aprendi com uma professora quando fiz o Telecurso 2000. Comentando com ela a respeito da dificuldade que eu tinha para resumir textos, ela me mostrou um artigo muito interessante, com uma boa explicação e vários exemplos.

Este artigo acabou de uma vez por todas com a minha dificuldade para resumir, e me ajudou muito na hora de fazer os meus trabalhos da faculdade, estudar para as provas, e escrever o meu TCC.

Espero que seja de muita utilidade, e se precisarem de ajuda, podem entrar em contato.

Segue o artigo:

A lógica dos resumos

Um dos processos mentais, essencial para a produção de resumos, é a sumarização, que sempre ocorre durante a leitura, mesmo quando não produzimos um resumo oral ou escrito. Esse processo guia-se pela lógica, que identificaremos nos trechos a seguir:

Exemplo: No supermercado, Paulo encontrou Margarida, que usava um lindo vestido azul de bolinhas amarelas e estava acompanhada de sua irmã menor.

Sumarização: Paulo encontrou Margarida.

Num resumo não se colocam características e adjetivos, a menos que sejam muito importantes para o entendimento.

Informações excluídas:

- Circunstâncias que envolvem o fato (no supermercado)
- Qualificações / descrição de personagens (que estava usando um vestido de bolinhas / acompanhada de sua irmã menor)


Alguns exemplos de sumarização de períodos:


a) O principal suspeito do assassinato era o marido: era ciumento e não tinha um álibi, dado que afirma ter ficado rondando a casa para ver se a mulher se encontrava com o amante.

Sumarização: O principal suspeito do assassinato era o marido, pois era ciumento e não tinha um álibi.

Justificativa: As orações que vêm depois da vírgula são explicações e justificativas da anterior.


b) O Iluminismo ataca as injustiças, a intolerância religiosa e os privilégios típicos do Antigo Regime.

Sumarização: Não é possível resumir.

Justificativa: Todas as informações são importantes, porque o Iluminismo não ataca só uma das afirmações, mas todas.


c) De manhã, lavou a louça, varreu a casa, tirou o pó e passou roupa. À tarde, foi ao banco pagar contas, retirar talão de cheques e extrato, e à noite, preparou aula, corrigiu os trabalhos e elaborou a prova.

Sumarização: De manhã, cuidou da casa, à tarde foi ao banco, e à noite trabalhou.

Justificativa: Só é possível resumir reformulando as orações e utilizando termos mais genéricos.


d) No resumo de uma narração, podem-se suprimir as descrições de lugar, de tempo, de pessoas ou de objetos, se elas não são condições necessárias para a realização da ação. Por exemplo, descrever um homem como ciumento pode ser relevante, e, portanto, essa descrição não poderá ser suprimida, se é essa qualidade que determinará que o homem assassine sua esposa. Já sua descrição como alto e magro poderá, neste caso, ser suprimida.

Sumarização: No resumo de uma narração, podem-se suprimir as descrições de lugar, de tempo, de pessoas ou de objetos, se elas não são condições necessárias para a realização da ação.

Justificativa: O exemplo foi eliminado.


***

Sistematizando...

Para sumarizar, antes de mais nada, é necessário compreender o texto original. É preciso identificar a idéia principal e as secundárias. Podemos eliminar, sempre que possível, exemplos, sinônimos, explicações e justificativas, e efetuar generalizações. Freqüentemente, alguns conectivos (como: mas, isto é, porém, portanto, porque), auxiliam essa identificação e podem orientar os processos de sumarização.

Os resumos têm o objetivo apenas de dar algumas informações sobre do que se trata a obra. Já as resenhas, além de dar essas informações básicas, também dão a sua opinião, recomendando ou até convencendo os leitores a respeito.

1 comentários:

Bia, adorei seu blog!
bjus
Alê Paula

Postar um comentário

Share

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More